#Chapada: Assentamento espera colher 100 toneladas de abacaxi entre 2022 e 2023, em Andaraí

 

 

 





O assentamento Salubrinho, situado no município de Andaraí, na região da Chapada Diamantina (BA), espera colher 100 toneladas de abacaxi no biênio de 2022 e 2023. A safra inicia este mês. Dentre as 40 famílias beneficiárias da reforma agrária nessa área, 13 se dedicam ao cultivo da fruta que leva 14 meses para produzir.

Com 838,4 hectares de terras, o Salubrinho também produz aipim, feijão, laranja, limão e manga. Atualmente, ocorre a introdução do cultivo do maracujá no assentamento, que produz frutos quatro vezes ao ano e, com isso, tem potencial de aumentar a rentabilidade das famílias.

Só o assentado Gilberto Oliveira colhe anualmente entre 30 e 40 mil unidades de abacaxi. Este ano, o agricultor também resolveu apostar no maracujá e plantou um hectare do fruto que ainda não está em ponto de colheita no seu lote.

Comercialização

No auge da colheita do abacaxi, Oliveira conta que comercializa caminhões da fruta junto a atravessadores. Os valores variam entre R$ 1 a unidade e até duas unidades por R$ 5, o que depende da oferta e da qualidade do fruto. “Vendemos também em feiras”, explica ele.

A agricultora Eni Rodrigues Teles, também produtora de abacaxi, conta que eles costumam comercializar o produto nas feiras dos municípios de Cascavel, Mucugê, Itaetê, Andaraí, Redenção e Wagner.

Ela ressalta que a “lida” com o abacaxi é difícil, devido à demora entre o plantio e a colheita. Além disso, a agricultora explica que se a produção no município de Itaberaba é grande, cai o preço do abacaxi, pois a oferta é muito maior nas feiras.

Segundo Eni, a vendagem é boa e eles não precisam se descolocar com tanta frequência quando conseguem participar do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Introdução do Maracujá

Diante das dificuldades de comercialização do abacaxi enfrentadas pelas famílias, o técnico agrícola Antônio Novaes, servidor da Prefeitura de Andaraí, trabalha na introdução da cultura do maracujá no Salubrinho.

“O maracujá possui uma rede de comercialização melhor. Além disso, o tempo de produção do fruto é mais curto. Enquanto o abacaxi tem um ciclo de um ano e meio, o maracujá produz quatro vezes ao ano”, frisa.

De acordo com o técnico, é importante os assentados conciliarem as lavouras do maracujá e do abacaxi, além da produção de culturas de subsistência, mais voltada para o consumo interno do assentamento.

O técnico frisa que existem plantios de maracujá em dois lotes e que, num período de um ano, a expectativa é de que eles colham até 60 toneladas do fruto. “Outros agricultores vão acabar aderindo à cultura diante do desempenho dessas primeiras famílias”, finaliza.

Políticas Públicas

Os agricultores do Salubrinho são atendidos com o Crédito Instalação do Incra, em modalidades antigas, tais como: Aquisição de Material de Construção, Fomento, Apoio Inicial e Semiárido.

Segundo o assentado Gilberto Oliveira, a expectativa das famílias é para a liberação do Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais (Cefir), no estado da Bahia.

Com esse documento, as famílias poderão acessar modalidades do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). “Com o recurso, poderemos investir no melhoramento de nossas plantações, pois hoje só contamos com o nosso próprio recurso”, ressalta.
//Ascom/gov.br

Nenhum comentário:

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do PORTAL INÚBIA.

MAIS LIDAS DA SEMANA