#Bahia: Lavrador tenta provar que não morreu após nome aparecer em cadastro de óbitos

 

 

 



O lavrador José Raimundo da Costa, de 60 anos, ficou conhecido como “morto-vivo”, em Pedrão, cidade onde mora, a cerca de 142 km de Salvador. O homem ganhou esse apelido depois de uma descoberta inusitada: aos 55 anos, cheio de saúde, descobriu que estava morto após uma consulta no cartório do município.


Na pequena cidade, de pouco mais de 7.300 habitantes, é difícil encontrar alguém que não conheça a história. O “morto-vivo” de Pedrão não é nenhuma lenda ou “causo” do município, que fica no interior da Bahia.
A “morte” do idoso não tem causa e nem registro nos cartórios, mas tem data: 19 de agosto de 2011. O nome de José Raimundo consta no Sistema Informatizado de Controle de Óbitos (Sisobi), mas, para a Receita Federal, o documento de Cadastro de Pessoa Física (CPF) está válido.
//Fala Genefax

Nenhum comentário:

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do PORTAL INÚBIA.

MAIS LIDAS DA SEMANA