#Mundo: Comprimido anticovid-19 da Merck é autorizado nos Estados Unidos

 


A agência reguladora de medicamentos e alimentos dos Estados Unidos anunciou, nesta quinta-feira (23/12), que autoriza o comprimido anticovid-19 do laboratório Merck para adultos de alto risco, um dia depois de dar sinal verde para um similar da Pfizer.

“A autorização de hoje oferece uma opção de tratamento adicional contra o vírus da covid-19 na forma de comprimido, que pode ser tomado por via oral”, disse Patrizia Cavazzoni, cientista da FDA (na sigla em inglês).

A pílula desenvolvida pela Merck, conhecida como MSD fora dos Estados Unidos e do Canadá, deve ser tomada dentro dos cinco dias posteriores ao início dos sintomas e reduziu em 30% as hospitalizações e mortes por Covid-19 entre pessoas em risco.

No caso da medicação da Pfizer, a redução é de 90%.

Em seu comunicado, a FDA insistiu em que tanto os comprimidos da Pfizer quanto os da Merck devem ser um complemento às vacinas, e não substituí-los, porque elas (as vacinas) continuam sendo a principal ferramenta na luta contra o coronavírus.

Ainda que ambos os tratamentos sejam, em geral, seguros, conforme os estudos clínicos desenvolvidos, a pílula da Merck (molnupiravir) levanta mais preocupações.

A FDA não autoriza esta medicação para menores de 18 anos, porque pode afetar o crescimento dos ossos e cartilagens, nem para grávidas, devido a possíveis danos ao feto. Os médicos são os que decidem se os benefícios superam os riscos em casos individuais.

A posologia é de oito cápsulas de molnupiravir ao dia, por cinco dias, totalizando 40 comprimidos, com preço estimado em 500 dólares, cerca de 3 mil e quinhentos reais.

Os Estados Unidos fizeram uma encomenda de comprimidos da Merck no valor de US$ 3,1 milhões, e outra da Pfizer, de US$ 10 milhões.

O molnupiravir atua incorporando-se ao genoma do vírus, o que causa mutações que impedem a replicação viral.
Por Informações: O Tempo

Nenhum comentário:

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do PORTAL INÚBIA.

MAIS LIDAS DA SEMANA