menu

cmp 05/05/2020

cmp 05/05/2020

cido

cido

SUPER CESTA 30/05/2020

quinta-feira, 16 de abril de 2020

Brasil: Governo vai testar em pacientes remédio com 94% de eficácia contra o coronavírus



Reprodução

O Ministério da Ciência e Tecnologia informou nesta quarta-feira (15), que o Brasil testará nas próximas semanas um "remédio promissor" que, segundo análises in vitro, demonstrou ter 94% de eficácia em ensaios com células infectadas pelo novo coronavírus. Ao menos 500 pacientes com a covid-19, desde que não estejam em estado grave, participarão dos estudos clínicos, de acordo com o governo.

Especialista ouvido pelo UOL, o infectologista José David Urbaéz Brito classificou o anúncio do ministério como um "desserviço" que, de modo irresponsável, "faz aumentar a expectativa de uma população vulnerável submetida ao medo". Segundo ele, a eficácia de moléculas testadas in vitro é algo corriqueiro e quase sempre não se confirma nos exames clínicos (com humanos).

Além disso, na visão do médico, o governo estaria "atropelando" etapas fundamentais da pesquisa. "Notícias oportunistas têm um enorme impacto em um momento de medo coletivo", declarou Brito, que é membro da Sociedade Brasileira de Infectologia.

O ministro Marcos Pontes, titular da pasta da Ciência e Tecnologia, não deu o nome da droga porque ainda não há um laudo conclusivo. Ele afirmou que o medicamento desenvolvido por cientistas brasileiros tem formulação pediátrica e preço acessível nas farmácias.

"Para garantir a continuidade dos testes clínicos, e por questões de segurança, o nome do medicamento selecionado será mantido em sigilo até que os resultados dos testes clínicos demonstrem a sua eficácia em pacientes", informou o ministério.

"O que se pode adiantar é que o fármaco tem baixo custo, ampla distribuição no território nacional e sua administração não está relacionada a efeitos colaterais graves e que pode ser usado por pessoas de diversos perfis inclusive em formulações pediátricas", completou.

Produção local
Pontes destacou que os reagentes usados no remédio são produzidos no Brasil, o que "não nos deixa dependentes de outros países".

"Isso nos permite realizar testes diagnósticos com maior amplitude e que as pessoas com os primeiros sintomas possam ir ao médico, receber uma prescrição, passar na farmácia e se recuperar em casa."

"Imaginando que tudo isso funcione, pois nós estamos entrando nos testes clínicos, vamos ter um medicamento, testes e a vacina, essa mais para frente. Esperamos no meio de maio ter uma ferramenta efetiva para combater essa pandemia no Brasil", completou.

Durante a fase inicial do estudo, foram testados cerca de dois mil medicamentos com o objetivo de identificar fármacos compostos por moléculas capazes de inibir proteínas fundamentais para a replicação viral. Posteriormente, foram identificadas seis moléculas promissoras. Elas foram submetidas a testes in vitro com células infectadas com a covid-19.

Das seis moléculas, os cientistas descobriram que duas reduziram significativamente a replicação viral em células. O remédio mais promissor apresentou 94% de eficácia em ensaios com as células infectadas.

Poucos efeitos colaterais
O ministro explicou ainda que, de acordo com as análises preliminares, a aplicação do remédio não teria efeitos colaterais para os pacientes — situação diferente do uso da cloroquina e hidroxicloroquina, substâncias que entusiasmam o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e que também estão sendo estudadas no combate ao coronavírus.

'Fato corriqueiro', aponta especialista
O infectologista José David Urbaéz Brito destacou que, de acordo com a sua experiência profissional, trata-se de um "fato corriqueiro" observar a eficácia de moléculas analisadas in vitro. E salientou que os resultados dificilmente se mantêm na etapa mais importante, o exame clínico, isto é, quando a droga é testada em pacientes humanos.

"No mundo da descoberta de medicamentos, os cientistas fazem centenas, pra não dizer milhares, de testes in vitro. Quase sempre todos são muito bem-sucedidos. E não apenas com uma molécula, com centenas de moléculas. (...) É uma ferramenta para lá de primitiva e que não dá base para imaginar que isso possa funcionar em um organismo inteiro", explicou.

Segundo ele, o "organismo inteiro" apresenta um cenário muito mais complexo, com uma "imensa multiplicidade de células, vias metabólicas, vias de inflamação". "É muito prematuro dizer que aquela molécula que teve algum efeito interessante e que deu algum entusiasmo poderá ser levada ao uso dentro de uma pessoa".

Além da "irresponsabilidade" do anúncio, segundo opinou o infectologista, há um outro problema grave: o remédio será aplicado em pacientes com covid-19 sem antes passar por etapas fundamentais, como o teste em animais geneticamente manipulados, como camundongos, e posteriormente tipos de primatas que sejam compatíveis com a molécula em questão.

"Nunca se viu uma informação [oriunda de um trabalho científico] de tão baixa qualidade."



Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do PORTAL INÚBIA.

MAIS LIDAS DA SEMANA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE