menu

adsense


YOUTUBE

clinica

clinica

cmp

cmp

CONECTA

CONECTA

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Ganhando R$ 24 mil por mês, procurador de Justiça reclama como vai viver com um 'miserê'


Foto: Reprodução/ Youtube


O desabafo de um procurador de Justiça de Minas Gerais tem causado revolta nas redes sociais. O procurador Leonardo Azeredo dos Santos, em uma entrevista na Rádio Itatiaia, afirmou que categoria ganha um “miserê”.

A entrevista abordava a proposta orçamentária para o Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) para 2020, sem previsão de reajuste salarial. “Como é que o cara vai viver com R$ 24 mil? O que de fato nós vamos fazer para melhorar a nossa remuneração? Ou nós vamos ficar quietos?”, declarou na rádio. O áudio se tornou público nesta segunda-feira (9). O procurador de Justiça tem um salário bruto mensal de aproximadamente R$ 35 mil. Com os descontos, recebe R$ 24 mil. Entretanto, em junho, com recebimento de indenizações, o vencimento foi de R$ 78,6 mil.


O procurador-geral de Justiça de Minas Antônio Sérgio Tonet havia declarado que, caso o Estado assine o acordo de recuperação fiscal com o governo federal, não será concedido qualquer reajuste salarial, mesmo que haja aumento dos vencimentos dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Leonardo Azevedo, indignado, disse que já rebaixou o padrão de vida por causa do salário. “Estou deixando de gastar R$ 20 mil de cartão de crédito e estou gastando R$ 8 mil. Pra poder viver com os R$ 24 mil. Eu e vários outros já estamos vivendo à base de comprimido, à base de antidepressivo. Estou falando assim com dois comprimidos de sertralina por dia, e ainda estou falando deste jeito. Se não tomasse, ia ser pior do que Ronaldinho”, afirmou em tom exaltado. O MP-MG afirmou que adota todas as medidas para reduzir gastos, especialmente com folha de pessoal, visando mantê-los dentro do limite legal de 2% da Receita Corrente Líquida.
Fonte: Bahia Noticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do PORTAL INÚBIA.

MAIS LIDAS DA SEMANA